Como Servir um Vinho do Porto

Decantar Vinho do Porto

A decantação é um processo simples e agradável. Trata-se de verter o vinho lenta e suavemente num decantador de modo a que o sedimento permaneça na garrafa. Aqui vão uma ou duas dicas de decantação.

É melhor não se preocupar muito com o número exacto de horas de decantação entre a abertura de um vinho do Porto Vintage e o seu consumo. Um bom plano é abrir e decantar a garrafa um pouco antes dos seus convidados chegarem, ou logo após, se não estava à espera da sua visita. Isso deve dar-lhe tempo de sobra para que os aromas (também conhecidos como o “nariz” ou o “bouquet”) abram até ao final da refeição e para que o vinho possa ser apreciado no seu melhor.

Se a garrafa veio diretamente da sua garrafeira, ou onde quer que a tenha armazenado, não há necessidade de deixá-la de pé antes de decantação. No entanto, se suspeitar que o sedimento possa ter sido recentemente agitado, por exemplo, durante um acidentado passeio de carro do comerciante de vinhos para até casa, então o melhor é dar-lhe algum tempo para depositar.

Para evitar que as partículas de sedimento passem da garrafa para o decantador, há quem goste de decantar o vinho através de algum tipo de filtro. Os funis de decantação incorporam um filtro de metal e são úteis para este fim, mas não são essenciais. A peneira de metal servirá igualmente bem. Se tiver à mão um simples pano de algodão muito limpo ou de musselina branca ou lisa, este também será um bom filtro. Qualquer tipo de coador ou filtro usado, deve ser previamente lavado com água quente, nunca lavado com sabão ou detergente. Já os filtros de café de papel não devem ser utilizados porque afectam o sabor do vinho, mesmo se forem cuidadosamente lavados.

Na realidade, nenhum filtro ou coador é necessário se a decantação for realizada com cuidado e delicadeza. Se eventualmente algumas partículas de sedimento passarem para o decantador, isto não será uma grande catástrofe pois estas são completamente inofensivas e acabarão por se depositar no fundo do decantador.

Algumas garrafas antigas de vinho do Porto Vintage têm uma marca de giz branco pintado num dos lados da garrafa. Isto indica que a garrafa foi armazenada com a marca branca para cima e é melhor, embora não seja fundamental, segurar a garrafa na mesma posição quando a estiver a decantar. Se não houver nenhuma marca de giz, segure na garrafa com o rótulo para cima.

Para ser apreciado no seu melhor, o vinho do Porto Vintage deve ser bebido no dia em que a rolha é retirada pela primeira vez, antes que os aromas delicados e complexos, que se desenvolvem nas primeiras horas após a garrafa ser aberta, comecem a desaparecer.
Um decantador de vinho do Porto Vintage maduro a circular à volta da mesa depois de uma boa refeição com os amigos é um dos mais sociáveis e agradáveis prazeres que pode haver.
Como já foi explicado, um vinho do Porto envelhecido em madeira (incluindo o Late Bottled Vintage) não precisa de ser decantado e pode ser vertido diretamente da garrafa para o copo.

Parceiro:Croft Port

Mundus Vini 2017. Há 302 vinhos portugueses entre os melhores

Perto de 200 especialistas de 44 países fizeram o gosto ao copo e elegeram os melhores vinhos desta primavera. E, claro, há portugueses entre os destacados do Mundus Vini 2017.

Vinhos-portugueses

Já são conhecidos os vencedores da Spring Tasting do Grand International Wine Awards – Mundi Vini, um dos eventos mais conceituados do mundo vinícola.

Para esta prova de primavera, foram perto de 200 os especialistas que, durante quatro dias, avaliaram cerca de 6,200 vinhos de vários pontos do mundo, atribuindo-lhes a medalha de Grande Ouro, Ouro e Prata. Como já tem sido habitual, há criações bem portuguesas entre as eleitas.

Espanha consagrou-se campeã ao conseguir 484 medalhas com esta competição. França ficou no segundo lugar com 337 medalhas, seguindo-se Portugal, que fecha o pódio com 302 vinhos selecionados e enquadrados nos melhores do mundo.

Entre os vencedores da medalha de Grande Ouro – que foram apenas 33 – estão oito nacionais: Sandeman – Porto Tawny 30 Years Old, o Casa da Ferreirinha Quinta da Leda, (2014), Herdade de Grous – Reserva Vinho Regional Alentejano (2013), Quinta de Ponte Pedrinha Reserva (2011), Barros Porto (Colheita 1974), Sandeman – Porto 20 Years Old, Casa Ermelinda Freitas (Moscatel de Setúbal, 2007) e Casa Ferreirinha Callabriga (2014).

Clique aqui e descubra os restantes eleitos.

Os 10 maiores produtores de vinho do mundo

vinhos-do-mundo

Com o passar do tempo, cada vez mais lugares investem na produção de seus próprios vinhos. No entanto, existem 10 países que são pioneiros em produzir a bebida, e, hoje, são responsáveis pela produção e exportação de 90% de todo o vinho existente no mundo. Para saber mais, confira aqui quem são os maiores produtores:
1. França
O país é considerado precursor da produção vinícola. Os vinhos franceses tornaram-se tradição por todo o mundo e a região é tomada uma variedade climática que permite uma produção diversificada.
A cidade de Bordeaux, por exemplo, é uma das mais famosas com a produção de vinhos Chateaux tintos, encorpados e com um forte sabor. Há, também, a região da Borgonha, responsável por 82% do cultivo e produção dos Pinot Noir e Chardonnay, que são uvas utilizadas na produção de vinhos mais leves e sofisticados.
2. Itália
A região central da Itália, conhecida como Toscana, é também uma gigantesca produtora de excelentes vinhos, principalmente, dos vinhos brancos mais conhecidos entre os apreciadores, como Sauvignon Blanc e Chardonnay, por exemplo.
3. Espanha
O país possui a maior extensão de vinhedos do mundo e, também, é o maior cultivador da uva Tempranillo, que dá origem a vinhos de características variadas e com excelente qualidade.
4. Estados Unidos
O Estado da Califórnia é o maior produtor do país, afinal de contas, é responsável por cerca de 90% da produção de vinhos. Os principais cultivos dessa região são as uvas Chardonnay e Cabernet Sauvignon.
5. Argentina
Muito apreciada entre os brasileiros, a produção de vinhos argentinos cresceu muito ao longo dos últimos anos e o país tornou-se um dos maiores produtores do mundo. Entre os principais cultivos, se destacam o Malbec e o Chardonnay.
6. Austrália
A produção de vinhos australianos tem crescido rapidamente com a ajuda de equipamentos tecnológicos, utilizados desde o processo da colheita das uvas. Também é cultivadora do vinho Chardonnay, e grande parte da produção vinícola australiana é destinada à exportação.
7. Alemanha
O destaque da região está na produção de vinhos brancos e aromáticos provenientes da uva Riesling. Grande parte dessas bebidas são exportadas para países como Espanha e Itália.
8. África do Sul
A África do Sul possui mais de 300 anos de tradição na produção de vinhos e é o único país do continente africano que os produz. Atualmente, é considerada a maior produtora de brandy do mundo, além de ser conhecida pelo cultivo de Chenin Blanc.
9. Chile
Os vinhos chilenos são muito consumidos no Brasil, afinal de contas, a produção da bebida por lá é muito variada e de excelente qualidade. Além do cultivo do Carménère, destaca-se a plantação de Chardonnay e Cabernet. Sauvignon. Veja aqui uma seleção especial de vinhos chilenos.
10. Portugal
O famoso vinho do Porto é uma das atrações do país. Os vinhos tintos da região do Alentejo, em Portugal, estão cada vez mais valorizados e prestigiados. Outro cultivo de destaque na região é o da uva Alvarinho.