O Concours Mondial de Bruxelles medalhou 369 vinhos portugueses

01 Prova de vinhos

O CONCOURS MONDIAL DE BRUXELLES (CMB) DE 2017 MEDALHOU 369 DOS 1.080 VINHOS PORTUGUESES INSCRITOS.

Na sua 24ª edição, realizada na cidade espanhola de Vallodolid entre os dias 5 e 8 de maio, o Concours Mondial de Bruxelles (CMB) medalhou 369 vinhos portugueses.

Com um total de 9.080 vinhos de 50 países inscritos para competir por medalhas de Grande Ouro, Ouro e Prata, este concurso mundial entregou 369 medalhas a Portugal – que tinha 1.080 vinhos inscritos.

Como o próprio concurso informa em comunicado enviado às redações, “as medalhas entregues a vinhos portugueses, representam 34% dos vinhos a concurso, um excelente rácio face aos concorrentes com maior número participações”.

Em termos de medalhas, 15 vinhos portugueses receberam Grande Ouro, 122 Ouro e 231 Prata.

Este ano o concurso contou com 320 jornalistas, compradores, sommeliers e enólogos de todo o mundo para avaliar os vinhos em prova. O Concours Mondial de Bruxelles (CMB) viaja todos os anos para um novo destino no mundo. Em 2018 o destino é Pequim e o evento irá realizar-se de 10 a 13 de maio.

Fique a conhecer abaixo a lista dos 15 vinhos portugueses que receberam a Medalha Grande Ouro neste concurso:

Quinta do Serrado Touriga Nacional 2011, Dão e Lafões;

Casa Ferreirinha Vinha Grande Red 2014, Porto e Douro;

Herdade do Rocim Alicante Bouschet, Alentejo;

Quinta do Espírito Santo Reserva 2013, Lisboa;

Quinta Da Vassala Reserva Chardonnay 2016, Lisboa;

Rebelde Red 2015, Alentejo;

Al-Ria Reserva 2015, Algarve;

D’Oliveiras Madeira Wines 1994, Madeira;

Morgado de Sta. Catherina 2015, Lisboa;

Sexy Red 2015, Alentejo;

Dalva White 2007, Porto e Douro;

Kopke Matured In Wood 1967, Porto e Douro;

Kopke 1937, Porto e Douro;

Quinta de Valle Longo Reserva 2014, Porto e Douro;

Paxis 2013, Lisboa.

Anúncios

Mundus Vini 2017. Há 302 vinhos portugueses entre os melhores

Perto de 200 especialistas de 44 países fizeram o gosto ao copo e elegeram os melhores vinhos desta primavera. E, claro, há portugueses entre os destacados do Mundus Vini 2017.

Vinhos-portugueses

Já são conhecidos os vencedores da Spring Tasting do Grand International Wine Awards – Mundi Vini, um dos eventos mais conceituados do mundo vinícola.

Para esta prova de primavera, foram perto de 200 os especialistas que, durante quatro dias, avaliaram cerca de 6,200 vinhos de vários pontos do mundo, atribuindo-lhes a medalha de Grande Ouro, Ouro e Prata. Como já tem sido habitual, há criações bem portuguesas entre as eleitas.

Espanha consagrou-se campeã ao conseguir 484 medalhas com esta competição. França ficou no segundo lugar com 337 medalhas, seguindo-se Portugal, que fecha o pódio com 302 vinhos selecionados e enquadrados nos melhores do mundo.

Entre os vencedores da medalha de Grande Ouro – que foram apenas 33 – estão oito nacionais: Sandeman – Porto Tawny 30 Years Old, o Casa da Ferreirinha Quinta da Leda, (2014), Herdade de Grous – Reserva Vinho Regional Alentejano (2013), Quinta de Ponte Pedrinha Reserva (2011), Barros Porto (Colheita 1974), Sandeman – Porto 20 Years Old, Casa Ermelinda Freitas (Moscatel de Setúbal, 2007) e Casa Ferreirinha Callabriga (2014).

Clique aqui e descubra os restantes eleitos.

Melhor Sommelier do Mundo vem a Lisboa

andreas-larsson-smo

Entre 28 de fevereiro e 4 de março de 2017, Andreas Larsson, o “Melhor Sommelier do Mundo” (2007, ASI) e o diretor vínico do conceituado restaurante PM & Vänner, em Växjö, na Suécia, vai visitar Portugal para uma prova cega e para avaliar alguns vinhos portugueses na sede da comissão da Vinha e do Vinho, em Lisboa.

Larsson é conhecido pelo seu palato exigente e pela sua paixão pelo vinho. O simpático escanção sueco tem um caráter descontraído, e é um profissional muito requisitado para provas e enquanto orador e educador nos ramos da gastronomia, vinho e outras bebidas.

Os principais objetivos desta iniciativa são aumentar a visibilidade dos vinhos portugueses no mercado, reforçar o posicionamento distinto dos vinhos portugueses entre os consumidores e dar-lhes a oportunidade de provar novos vinhos ou vinhos premium, e ainda aumentar as vendas e a distribuição dos vinhos portugueses.

Os produtores locais estão convidados a inscreverem-se a si e aos seus vinhos, quer para a avaliação e para a feira, ou somente para a avaliação.