Maria Izabel Vinhas da Princesa 2014 Branco

 

vvbranco-copy
Vinho elaborado a partir das castas Rabigato, Códega, Donzelinho, Viosinho, Arinto
 
As caracteristicas deste vinho pauta-se por uma cor citrina, apresenta um aroma fino e subtil. Tem um forte carácter mineral, que lhe confere frescura, juntamente com notas de fruto de caroço, raspa de laranja confitada, aroma de pastelaria e fumo. De elevada estrutura na boca, é volumoso e apresentando -se mineral, a acidez natural torna o vinho fresco e elegante.
 
A Quinta Maria Izabel estende-se por 130 hectares numa das zonas mais privilegiadas da região Duriense. Um ímpeto transformado num grande projeto. Uma ideia que revela ser, afinal, mais que um sonho Brasileiro em terras lusas.
 

Website: www.quintamariaizabel.pt

Anúncios

Vinhos do Alentejo

alentejo-wine

O Alentejo é uma das maiores regiões vitivinícolas de Portugal, onde a vista se perde em extensas planícies que apenas são interrompidas por pequenos montes. Esta região quente e seca beneficiou de inúmeros investimentos no sector vitivinícola que se traduziu na produção de alguns dos melhores vinhos portugueses e consequentemente, no reconhecimento internacional dos vinhos alentejanos.

O Alentejo situa-se no sul de Portugal. É uma zona muito soalheira permitindo a perfeita maturação das uvas e onde as temperaturas são muito elevadas no Verão, tornando-se indispensável regar a vinha.

O tipo de relevo predominante na região é a planície, apesar da região de Portalegre sofrer a influência da serra de São Mamede. As vinhas são plantadas nas encostas íngremes da serra ou em grandes planícies e em solos muito heterogéneos de argila, granito, calcário ou xisto. Apesar disso, a pouca fertilidade dos solos é um elemento comum a todos os solos.

Grande parte dos 22000 hectares de vinha alentejana concentram-se nas oito sub-regiões da Denominação de Origem alentejana: Reguengos, Borba, Redondo, Vidigueira, Évora, Granja-Amareleja, Portalegre e Moura.

Na sub-região de Portalegre as vinhas são plantadas nas encostas graníticas da Serra de São Mamede, sofrendo a influência de um microclima (temperaturas são mais baixas devido à altitude). No centro do Alentejo situam-se as sub-regiões de Borba, Reguengos, Redondo e Évora que produzem vinhos bastantes similares. No sul alentejano (mais quente e seco) localizam-se as sub-regiões de Moura, Vidigueira e Granja-Amareleja.

No Alentejo há inúmeras castas plantadas, contudo umas são mais relevantes que outras (seja pela qualidade ou pela área plantada). As castas brancas mais importantes na região são a Roupeiro, a Antão Vaz e a Arinto. Em relação às castas tintas, salienta-se a importância da casta Trincadeira, Aragonez, Castelão e Alicante Bouschet (uma variedade francesa que se adaptou ao clima alentejano).

Os vinhos brancos DOC alentejanos são geralmente suaves, ligeiramente ácidos e apresentam aromas a frutos tropicais. Os tintos são encorpados, ricos em taninos e com aromas a frutos silvestres e vermelhos.

Além da produção nas sub-regiões DOC, o Alentejo apresenta uma elevada produção e variedade de vinho regional. Os produtores optam, muitas vezes, por esta designação oficial que permite a inclusão de outras castas para além das previstas na legislação de vinhos DOC. Assim, é possível encontrar vinhos regionais produzidos com Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon, Syrah ou Chardonnay.

Hoje, o Alentejo tem um enorme potencial na produção vitivinícola, todavia a região nem sempre contou com o apoio das políticas agrícolas nacionais. Devido às especificidades do clima, solos pobres e estrutura agrária (grandes propriedades) as principais produções do Alentejo sempre foram os cereais, a oliveira, o carvalho e o gado. Durante as primeiras décadas do século XX, o governo tencionava fazer do Alentejo o “celeiro” de Portugal, por isso a cultura do milho foi amplamente divulgada. O vinho tinha uma importância diminuta e destinava-se essencialmente ao consumo local. A vinificação era realizada segundo os processos tradicionais herdados dos Romanos e a fermentação realizava-se em grandes ânforas de barro.

Nos anos 50, foi criada a primeira adega cooperativa da região com o objectivo de controlar a produção vinícola. No entanto, foi apenas nos anos 80 que o Alentejo se submeteu à grande revolução na produção vitivinícola. Demonstrando uma enorme capacidade de organização, os produtores alentejanos constituíram inúmeras associações, revitalizaram as cooperativas e encorajaram os produtores privados. Assim, o sector vitivinícola ganhou outra relevância, justificando a demarcação oficial da região em 1988.

Fonte:Infovini

Porto Best European Destination 2017

porto_europe_bestdest

Porto has just been voted, for the third time (2012, 2014, 2017), the best Destination in Europe by travellers from all over the world.

Never has the choice of the winning city been so unanimous among travellers from all other the world. It is with the votes of worldwide travellers from 174 countries that Porto wins this European title again for the third time (2012, 2014, 2017). Travellers from the USA, the United Kingdom, France, Denmark, South-Africa, South Korea, Ireland and Canada, among others,… voted Porto in the first place in this competition.

Porto – European Best Destination 2017 Official Video from European Best Destinations on Vimeo.

Porto is exceptional in more ways than one and the “Cidade Invicta” (unvanquished city) is history, is architecture, culture, gastronomy, trade, encounters and discoveries, will seduce you.

Porto has all the charm of towns which happily cohabit with their river. You can stroll along the River Douro (river of gold) in Cais da Ribeira, fly over it by helicopter or discover Porto’s architecture, its amazing landscapes and magnificent bridges by taking a cruise on this majestic river. Porto is also a sea city and in the briefest of time a tram will bring you to Foz do Douro’s gentle beaches face to face with the Atlantic.

Enter the sumptuously cool Palacio da Bolsa, and walk through history with Portuguese adventurers, follow the country’s trade routes and be stunned by the treasures which they brought back. Remarkable buildings such as the Sé Catédral and its terraces offer superb viewpoints over a bustle of markets, grocery stores, bars, restaurants…