Pequenos Produtores Portugueses

Presunto Português

Procuramos Pequenos Produtores Portugueses

Histórias de Produtores Portugueses. Exportar o país através de histórias de pessoas que produzem os melhores sabores que temos em Portugal.

A missão deste projeto é o de promover a produção nacional nos mercados externos e interno; ser a base de consulta profissional de referência, para traders, agentes do comércio, grossistas e retalhistas; ser a montra de exposição de elevada visibilidade, acessível a todos os produtores; ser uma ferramenta essencial de apoio à exportação; promover o contacto direto entre produtores, compradores e traders; trazer o comprador e trader ao fabricante; exposição e promoção do produto nacional, 24 horas, durante todo o ano; criar parcerias com organizações de prestígio que possam contribuir com o seu know-how e assegurar um apoio completo a produtores e compradores; criar ações de divulgação e promoção que complementem a plataforma on-line e promover Portugal e o turismo gerador de negócios.

Queijo Terrincho

No âmbito da campanha de sensibilização para o consumo de produtos e marcas nacionais com a assinatura COMPRO o que é nosso, os PEQUENOS PRODUTORES PORTUGUESES vão proporcionar que pequenas marcas e produtores portugueses, que pela sua reduzida dimensão têm dificuldade em penetrar nos circuitos comerciais, se apresentem e mostrem os seus produtos.

Este projeto tem como objectivo a valorização económica dos produtos endógenos de Portugal, através da criação de uma plataforma de negócios e venda online «We Shop Portugal».

cropped-cropped-adega-evento.jpg

A plataforma destina-se a todas as empresas, que se dediquem à produção, transformação e comercialização de produtos típicos portugueses. “Pretende-se que a plataforma seja um elemento de referência do país a nível internacional.

Assente na economia digital, num modelo de negócio B2B e B2C, o projeto inovador pretende reforçar a notoriedade internacional da marca Portugal, criando sinergias para um a promoção conjunta dos produtos endógenos, através de uma estratégia que estimule a procura e o alargamento dos mercados nacional e internacional.

Numa primeira fase, o projeto estabelece como mercados prioritários a Espanha, Alemanha, Inglaterra e França. Pretende-se que as pessoas que nos visitam e têm um primeiro contacto com os nossos produtos, possam repetir a compra, estando nos seus países de origem.

Ao contrário das estratégias de comunicação e divulgação habitualmente utilizadas, para a implementação da plataforma «We Shop Portugal» a abordagem do mercado passará pela realização de visitas às regiões de Portugal de importadores para conhecimento dos produtores e dos produtos regionais.

Para além dos produtos endógenos, esta plataforma de e-commerce promete ser também uma montra do que de melhor existe nas regiões: hotéis, restaurantes, locais históricos e atividades turísticas, entre outras.

Para aderir, entre em contacto connosco!

Anúncios

Vinhas de Pegões Syrah eleito o melhor vinho tinto da Península de Setúbal.

Vinhos Pegões

A Adega de Pegões ganhou mais uma vez o prémio de melhor vinho tinto da Península de Setúbal, desta vez com o Vinhas de Pegões Syrah. Recorde-se que já no ano de 2017 havia igualmente ganho este premio, e com o syrah curiosamente  , é caso para dizer que a casta  Syrah dá-se bem em Pegoes.

Ainda neste concurso foi premiada com mais 3 medalhas de ouro referentes aos vinhos Adega de Pegões Grande Reserva tinto, Adega de Pegões Cabernet Sauvignon e Contemporal Selection tinto, sendo distinguida com mais cinco medalhas de prata.

O ano 2018 não podia começar melhor para os vinhos de Pegões, que até ao momento já recebeu um total de 75 medalhas nos seus vinhos , sendo  19 medalhas de ouro, 36 medalhas de prata e 20 medalhas de bronze, destacando-se entre muitos, o troféu de melhor vinho Português do  no concurso “China wine Awords best Valeu 2018” , China.

Fonte:CM

Vidigueira à frente da candidatura do Vinho de Talha a Património da Humanidade

Vinho-de-talha 3

A Câmara de Vidigueira reuniu com todos os municípios, entidades, associações e produtores que manifestaram interesse em colaborar na candidatura do Vinho de Talha a Património Cultural Imaterial da Humanidade.

O encontro pretendeu “vincular” os intervenientes ao projecto, “definindo o grau de envolvimento de cada um, a sua participação e incumbências, nas diferentes acções”, revela a Câmara de Vidigueira.

A iniciativa aconteceu, no final do mês passado, após a realização das eleições autárquicas de Outubro de onde saíram novos executivos municipais.

De acordo com a Câmara de Vidigueira, 23 municípios do Alentejo demonstraram interesse em participar na candidatura.

A autarquia de Vidigueira comunicou à Direcção Regional de Cultura do Alentejo, a intenção de candidatar o Vinho de Talha a Património Cultural Imaterial, e solicitou a esta entidade “a colaboração técnica, no sentido de estruturar a candidatura e o trabalho de investigação e inscrever, numa primeira fase, a Produção Tradicional de Vinho de Talha no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial (PCI) e, posteriormente, na Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade”.